AGENDE GRATUITAMENTE

Powered by ChronoForms - ChronoEngine.com

  • header DLA
  • header flacidez
  • header slim plus 2
  • Lipocavitação
  • header Melan Off
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

box coxaDermolipectomia de Coxas

O contorno da face interna das coxas é relevante em países nos quais o clima propicia a exposição de forma freqüente das próprias pernas e do corpo.

O processo natural do envelhecimento e as grandes variações de peso, influenciados pela ação hormonal, podem gerar depósitos de gordura localizada na face interna das coxas. É justamente nesses casos que a cirurgia plástica de coxas pode ser indicada. Além disso, pode haver flacidez de pele no local. Estas alterações podem ter como resultado assaduras e, sobretudo desconforto estético, influenciando os hábitos de lazer realizados ao ar livre.

A cirurgia plástica das coxas, ou dermolipectomia de coxas, visa retirar o excesso de pele, proporcionando um contorno da coxa mais natural e menos flácido.

As perguntas mais comuns quanto a esta cirurgia são:


01 - Qual momento ideal para realizar a cirurgia plástica das coxas?

Não existe uma idade ideal para a realização da cirurgia plástica das coxas ou dermolipectomia de coxas, mas sim, a oportunidade ideal. Ela é determinada pela presença do defeito a ser corrigido.

02 - Quais os resultados possíveis com uma cirurgia plástica de coxas?

Em primeiro lugar vale lembrar que nos primeiros meses, a raiz da coxa apresenta uma relativa insensibilidade, além de estar sujeita a períodos de edema, o qual regride de forma espontânea. Com o passar do tempo (alguns meses), tendo sido iniciado o processo de drenagem linfática, vai-se gradativamente atingindo o resultado definitivo. É importante ressaltar que não se deve considerar como definitivo qualquer resultado antes de 6 a 12 meses de pós-operatório. Também deve ser salientado que a correção do excesso de gordura localizada na região depende do tipo físico e volume de gordura localizada. Também é relevante a espessura do panículo adiposo (espessura da gordura) que reveste o corpo. Dependendo do caso, poderá ser associada uma lipoescultura no local junto com a dermolipectomia ou previamente. O resultado definitivo da dermolipectomia é atingido após 6 meses da cirurgia, período necessário para a acomodação dos tecidos e amadurecimento da cicatriz. No entanto, deve ser dito que ele não é definitivo. Dura em média cinco anos e como toda lipoaspiração é indicada a manutenção do peso para haver maior durabilidade. A cicatriz resultante de uma dermolipectomia de coxa localiza-se obliquamente na prega inguinocrural (virilha), estendendo-se posteriormente até o sulco subglúteo. Ela apresentará maior ou menor extensão dependendo do volume de pele excedente a ser corrigido. Esta cicatriz é planejada para ficar escondida sob as roupas de banho. O processo de cicatrização enfrentará diversas etapas descritas a seguir:
  • 1- PERÍODO IMEDIATO: Vai até o 30º dia e apresenta-se com aspecto excelente e pouco visível.
  • 2- PERÍODO MEDIATO: Vai do 30º dia até o 6º mês. Neste período haverá espessamento natural da cicatriz, bem como mudança na tonalidade de sua cor, passando de "vermelho" para o "marrom", que vai, aos poucos, clareando. Este período é o menos favorável da evolução, por isso é recomendado aos pacientes que não se preocupem, pois no período tardio haverá diminuição dos vestígios cicatriciais. Nessa fase é importante não tomar sol na cicatriz para esta não ficar definitivamente escura.
  • 3- PERÍODO TARDIO: Vai do 6º ao 24º mês. Neste período, a cicatriz começa a tornar-se mais clara e menos consistente atingindo, assim, o seu aspecto definitivo. Qualquer avaliação do resultado definitivo da cirurgia do abdome deverá ser feita após este período.
OBS: Devido ao peso da pele da coxa, que fica causando tração sobre a cicatriz, pode haver algum grau de alargamento desta no decorrer da cicatrização.

03 - Qual o procedimento usado na cirurgia?

Para cada caso, conforme o tipo de alteração presente na face interna das coxas, existe uma determinada técnica cirúrgica a ser escolhida. Em pacientes com gordura localizada e sem flacidez de pele, a lipoaspiração pode ser suficiente para harmonizar o contorno local. No entanto quando a flacidez de pele é significativa, pode ser necessário realizar o lifting crural (coxas) para que os resultados sejam os melhores. Nestes casos, a utilização exclusiva da lipoaspiração tenderá a acentuar a flacidez, sendo assim não indicada. O lifting crural é realizado através de incisões cujos tamanhos variam e que se localizam exatamente na prega inguinocrural (sulco da virilha). Após determinar e remover os excessos de pele da face interna das coxas, o cirurgião plástico deve realizar o fechamento da incisão com muito cuidado para evitar que ocorra alargamento da cicatriz durante o pós-operatório e distorções da região genital. É natural que a extensão das cicatrizes seja diretamente proporcional ao grau de flacidez presente. De qualquer forma, esta cirurgia deve ser indicada com extremo cuidado, já que as cicatrizes resultantes nem sempre compensam a melhora obtida em termos de contorno.

04 - Há riscos nessa cirurgia?

Os riscos cirúrgicos da dermolipectomia crural (coxas) são mínimos e raramente trazem sérias complicações, desde que realizada dentro de critérios técnicos. Para isso é necessário preparar cada paciente para a cirurgia, além de ponderar sobre a conveniência de associação desta cirurgia simultaneamente a outras.

05 - Como é a anestesia?

A anestesia pode ser a peridural ou geral.

06 - Qual o tempo de cirurgia?

O tempo do ato cirúrgico ocorre em uma média de 3-4 horas. Caso seja necessário este período poderá ser prolongado. No entanto, o tempo de ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência do paciente no ambiente de Centro Cirúrgico. Esta permanência envolve também o período de preparação anestésica e recuperação pós-operatória

07 - Qual é o tempo de internação?

Considerando-se evolução normal o tempo de internação médio de 1 dia.

Evolução pós-operatória: O paciente deve evitar se exceder nos movimentos, sobretudo em abrir muito as pernas, já que a cicatriz se encontra próximo à virilha e será forçada nestes casos. A tração natural exercida na cicatriz pelo andar e pela gravidade pode levar a cicatriz a apresentar um alargamento nos primeiros meses. Quanto menor for a tração sobre a cicatriz, menor será o seu alargamento. Eis algumas recomendações no pós-operatório:

  • Evitar molhar o curativo durante a primeira fase (dois dias).

  • Não se expor ao sol, por um período mínimo de oito semanas.

  • Andar com passos curtos, sem afastar muito os pés lateralmente, para que não haja tração excessivana cicatriz localizada na virilha.

  • Em caso de pacientes obesas, poderá ocorrer, após o oitavo dia, a eliminação de certa quantidade de líquido amarelado por um ou mais pontos de cicatriz. Não há necessidade de se preocupar se isto ocorrer. É a "lipólise", que não significa complicação.

  • A alimentação é normal, salvo em casos especiais.

  • Quando houver pontos a serem retirados, estes o serão de 7 a 15 dias.

  • O paciente poderá tomar banho, geralmente, dois dias após a cirurgia.

08 - Como é a recuperação da cirurgia?

Na recuperação de pacientes submetidos ao chamado lifting crural deve-se lembrar que é necessário permanecer em repouso absoluto por cinco a sete dias, evitando afastar as pernas em demasia. A higiene local deve ser muito cuidadosa durante este período para que sejam evitadas infecções nos locais das incisões. As caminhadas devem ser restritas em seu máximo durante o primeiro mês para que a cicatrização dos tecidos não sofra alargamento. Assim como na lipoaspiração, é recomendada a utilização de cintas apropriadas durante as primeiras 4 a 6 semanas, visando acelerar a reabsorção do inchaço e a obtenção do resultado final. Quando necessário, os pontos costumam ser removidos após 14-21 dias. As atividades físicas com intenso trabalho de pernas podem ser retomadas após cerca de 2 meses.Finalmente, procure não analisar o resultado da sua cirurgia precocemente.O resultado final pode ser apreciado somente com a acomodação total dos tecidos, que ocorre de forma típica após dois a quatro meses.